sexta-feira, 17 de junho de 2011

Projecto Luz na corrida "Marginal à noite"

Data: 18 Junho 2011
Local: Estrada Marginal, em Santo Amaro de Oeiras, início 21h30

O Projecto Luz vai participar na corrida "Marginal à noite" no próximo dia 18 de Junho.

Quem pretenda participar, pode fazer a sua inscrição directamente junto da Organização da prova e poderá correr com uma t-shirt, com o nosso logotipo, que lhe será oferecida pelo Projecto Luz.

Pretende-se fazer uma "mancha azul" de modo a despertar a atenção de todos para esta temática!


Folheto sobre o Projecto Vida

Folheto sobre Movimento Partilha

http://www.pop.eu.com/portal/publico-geral/agenda2.html

Paroxetina e fluoxetina não deve ser usado por mulheres que tomam tamoxifeno


18 de fevereiro de 2010 - A paroxetina e fluoxetina não devem ser prescritas para depressão ou fogachos em mulheres que tiveram câncer de mama e estão agora a tomar tamoxifeno para evitar a reincidência. Citalopram ou venlafaxina deve ser considerado em seu lugar.
Esta conclusão advém de um novo estudo mostrando que a paroxetina, por interferir com o metabolismo do tamoxifeno, reduz ou elimina seu efeito protetor contra a recorrência do câncer de mama, causando um risco aumentado de morte por câncer de mama. A paroxetina é um potente inibidor da enzima CYP2D6, que converte o tamoxifeno para seu metabólito ativo, reduzindo a quantidade de droga ativa que é liberada.
"Descobrimos que as mulheres com câncer de mama que receberam paroxetina em combinação com tamoxifeno estavam em risco aumentado de morte por câncer de mama e morte por qualquer causa", dizem os pesquisadores, liderados por Catherine Kelly, MD, companheiro de oncologia médica na Sunnybrook Health Sciences Center, em Toronto, Ontário. O aumento no risco foi diretamente relacionada ao grau de coprescribing, eles observam.
Esses resultados destacam uma interação medicamentosa, que é extremamente comum, amplamente subestimado, potencialmente fatais, mas uniformemente evitáveis.
O estudo, publicado em 8 de fevereiro no British Medical Journal, fornece a evidência "primeira de um efeito clínico do tratamento a longo prazo durante a inibição da CYP2D2 tamoxifeno", segundo um editorial de acompanhamento.
Houve sugestões de presente, mas os dados não foram conclusivos. Dois estudos apresentados na reunião anual do último ano da Sociedade Americana de Oncologia Clínica relataram resultados contraditórios, no entanto, a mensagem aos clínicos era evitar a prescrição os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) paroxetina e fluoxetina em pacientes que tomam tamoxifeno.
Esta é também a mensagem no editorial BMJ, de autoria de Frank Andersohn, MD, e Stefan Willich, MD, do Instituto de Medicina Social, Epidemiologia e Economia da Saúde no Centro Médico da Universidade Charité, em Berlim, Alemanha.
À luz destas conclusões, os médico que tratam depressão ou fogachos em mulheres que tomam tamoxifeno devem evitar prescrever SSRIs, tais como a paroxetina e a fluoxetina, e considerar, em vez de drogas com baixo potencial para inibir a CYP2D6, tais como o Citalopram ou Venlafaxina.
Em pacientes em uso de tamoxifeno, que já estão tomando paroxetina ou fluoxetina, a mudança para outro anti depressivo com pouca ou nenhuma inibição da CYP2D6, deve ser considerada, acrescentam. Mas não há nenhuma justificação para a "interrupção abrupta" de paroxetina ou fluoxetina, relatam. "O potencial de benefícios a longo prazo da interrupção do seu uso ainda não superam claramente os potenciais efeitos negativos da retirada imediata do tratamento com ISRSs (tais como os de recorrência da depressão grave)," afirmam.
O estudo mostrou um efeito sobre o risco de morte por câncer de mama apenas com paroxetina, não com fluoxetina, embora, também, é um forte inibidor da CYP2D6. Os autores especulam que isso se deve ao baixo número de mulheres que tomam fluoxetina neste estudo. Os editorialistas nota que o estudo ainda é necessário, mas, entretanto, "por razões de segurança, a co-prescrição da fluoxetina e tamoxifeno em mulheres com câncer de mama deve ser evitada até que a evidência adicional se torna disponível."
Estudo mostra aumento das mortes por câncer da mama
O estudo publicado por pesquisadores canadenses foi retrospectivo e de base populacional, e inicialmente analisou dados de 24.430 mulheres ao longo de um período de 13 anos (1993 a 2005). Estas mulheres tinham 66 anos ou mais, residentes em Ontário, e estava tomando tamoxifeno depois de um diagnóstico de câncer de mama. Destas mulheres, 7489 (30,6%) receberam pelo menos 1 antidepressivo durante o tempo em que estavam tomando tamoxifeno. Porque algumas mulheres foram excluídas do estudo - por razões como a baixa adesão ao tamoxifeno e morte por causas desconhecidas - havia 2430 mulheres na análise primária.
A maioria dessas mulheres começaram a tomar tamoxifeno dentro de um ano do seu diagnóstico de câncer de mama, bem como a duração média do tratamento com tamoxifeno foi de 4 anos.
Os antidepressivos mais comumente prescritos foi paroxetina (em 25,9% das mulheres), seguido de sertralina (22,3%), citalopram (19,2%), venlafaxina (15%), fluoxetina (10,4%) e fluvoxamina (7,2%). Velhos antidepressivos tricíclicos foram prescritos em 18,3% das mulheres.
Até ao final do seguimento (média de 2,38 anos), um total de 1074 mulheres (44,2%) haviam falecido; câncer de mama foi registrado como a causa de morte em 374 mulheres (15,4%).

"Na primeira análise, verificou-se um aumento do risco de morte por câncer de mama entre as mulheres que receberam paroxetina, um inibidor da CYP2D6 irreversível, em combinação com tamoxifeno", escrevem os autores.
Em contrapartida, esse risco não foi visto com os outros anti depressivos, eles observam.
"A escolha do antidepressivo pode afetar significativamente a sobrevivência em mulheres que receberam tamoxifeno para câncer de mama", diz Kelly e nota dos colegas.
Estimamos que o uso de paroxetina em 41% dos que receberam tratamento com tamoxifeno (mediana se sobrepõem na nossa amostra) resultaria em 1 morte adicional de câncer de mama no prazo de 5 anos após a descontinuação do tamoxifeno para cada 19,7 paciente assim tratado ", explicam.
"O risco mais abrangentes sobreposição seria maior", acrescentam.
Aumento absoluto de 25%, 50% e 75% na proporção do tempo sobre o tamoxifeno com o uso de sobreposição de paroxetina foram associados com um aumento de 25%, 54% e 91%, respectivamente, no risco de morte por câncer de mama , o relatório dos investigadores. Cada comparação foi estatisticamente significativa (P <.05).
"O aumento do risco foi diretamente relacionada com a extensão da coprescrição e é consistente com a hipótese de que a inibição do CYP2D6 irreversível por paroxetina pode reduzir ou suprimir a vantagem de sobrevivência atribuídas pela terapia de longo prazo com tamoxifeno em pacientes com câncer de mama", escrevem os pesquisadores.
"Nossos resultados são consistentes com um corpo emergente da literatura, indicando o papel crítico na ativação do CYP2D6 metabólicos e eficácia clínica do tamoxifeno", acrescentam. 
Entre os artigos citados vários são por Mathew Goetz, MD, e colegas da Clínica Mayo, em Rochester, Minnesota, que foram sobre como teste para CYP2D6 pode identificar as mulheres que são metabolizadores pobres do tamoxifeno e que são, portanto, susceptíveis de reagir tão bem à droga. 
No entanto, um recente editorial no Journal of Clinical Oncology sugere que os dados até à data não são suficientemente claras para o uso rotineiro de tais testes, que não concordam, porém, que o uso de drogas que são conhecidos por inibir CYP2D6 são ser evitado em mulheres tomando tamoxifeno.
Os editorialistas e de todos os autores, exceto para o 1 não revelaram relações financeiras relevantes. Kathleen Pritchard, MD, de Sunnybrook Health Sciences Center, relatórios atuando como um consultor e recebem financiamento da pesquisa de várias empresas farmacêuticas, conforme detalhado no documento.
BMJ. Publicado em 9 de fevereiro de 2010.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Cegonha visita namorada ferida todos os anos na Croácia

21 de maio de 2011




As cegonhas que fazem ninho na Croácia todos os anos, fazem um longo caminho de 13 mil quilômetros da África do Sul pelo vale do Nilo
Por Danielle Bohnen (da Redação)
Malena e Rodan, uma linda história de amor. Foto: Divulgação/EFE
Uma amada ferida pelos disparos de um malvado, Um galã apaixonado que cruza meio planeta para visita-la todos os anos, apesar de todas as dificuldades. A história parece mais um roteiro de filme de romance, mas é a realidade da vida de um casal de cegonhas na Croácia.
A cada primavera, o país se emociona com a chegada do macho Rodan que volta da África ao país balcânico para encontrar sua amada Malena, que não pode voar devido às sequelas de um tiro d qual foi vítima há 18 anos.
O casal de aves oferece este ano, um espetáculo de alegria, já que em seu ninho, há quatro filhotes recém-nascidos, enquanto os demais estão por sair de seus ovos, segundo informou a imprensa local.
Malena foi encontrada ferida, em 1993, em um campo perto de Slavonski Brod, uma cidade de 200 km a leste de Zagreb, com a asa ferida por tiros dados por um caçador italiano.
Stipe Vokic, porteiro de uma escola primária, cuidou da ave, conseguiu cura-la e fez um ninho no telhado da escola para ela.
Faz nove anos que Rodan se apaixonou por Malena, que não pode acompanhar seu amado na viagem até a África, poisapresenta sequelas do ferimento que a impedem de voar para a rota migratória que faz as aves de sua espécie todos os anos.
Durante o inverno, Vokic cuida e alimenta Malena, mas todas as primaveras, quando Rodan regressa, ele mesmo trata de cuidar da companheira. Ele leva comida fresca a ela, arruma o ninho e alimento os filhotes.
Foto: Divulgação/EFE
“É uma relação terna, da qual se pode fazer um filme de amor”, comenta Vokic ao jornal Vecernji list.
Em Julho, Rodan ensinará aos seis filhotes a voar e, em meados de agosto, voarão juntos à África.
“A cada ano, me parte o coração quando chega a hora de partirem. Rodan chama Malena, para que vá com ele, mas ela não pode. Até hoje, já criaram 35 filhotes”, diz Vikic.
Esta primavera, a imprensa croata publicou a triste notícia de que Rodan não estava de volta e, certamente, alguma coisa ocorreu na África, mas para a alegria de todos, apareceu de repente, apesar de mais cansado do que nunca.
As cegonhas que fazem seus ninhos na Croácia todos os anos, realizam uma longa viagem de 13 mil quilômetros pelo Vale do Nilo até a África do Sul, caminho onde encontram muito perigos e penúrias.
Foto: Divulgação/EFE

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...